Rosas e Histórias



 Hoje meus queridos leitores, não farei poesia, mas falarei dela em forma de vida, ou melhor de duas vidas. Apresento-lhes Vó Louça e Vô Tião, as Rosas e Histórias da minha infância. Mas primeiro, deixe-me explicar os termos: Vô Tião, é na verdade Sr. Sebastião de João Antônio, pois aqui em Minas um nome sempre carrega outro nome, ou seja, o "João Antônio" é o meu bisavô, o pai do Vô Tião, que também pode ser chamado, pelos mais íntimos, de "Tiãozim de dona Louça", assim fica até mais bonitinho, ou melhor "bonitim". Ahh, e a história fica ainda mais meiga, a Dona Louça, é por registro Dona Nair, mas por amor Dona Louça, porque o Vô Tião, nos tempos de namoro, a apelidou carinhosamente de "Boneca de louça", por sua pele branquinha e seus olhos azuis. Lindo não é mesmo?! E se eu lhe disser que são quase 65 anos de casados? E que o Vô leva todo dia uma xícara de café na cama pra sua boneca de louça? É muito amor gente!

 O Vô, desde sempre, senta os netos no joelho canta a musiquinha do Cavalinho tum tum, e depois conta uma de suas histórias fabulosas que fazem a imaginação voar. Eu até hoje gosto de ouvi-lo contar seus causos de antigamente, com aqueles olhos, que escondidos pelos grossos óculos, parecem carregar um mundo inteiro de histórias, um mundo inteiro de sabedoria.  

 E a Vó, tem as roseiras mais bonitas que conheço e o cafezinho mais carinhoso que existe. Sempre que chego pra visitar ela me presenteia com um abraço e um doce "Cê veio criolinha!" numa voz mais fina que normal, e logo vem querendo agradar de todo jeito, um biscoitinho aqui, um bolo ali, um doce de leite. Aqueles olhos azuis aguadinhos, que se emocionam fácil, carregam um mundo inteiro de amor cuidadoso cheio de atenção para dar. 

 Ahh esses dois, as Rosas e Histórias da minha vida... como é bom esse amor!

Leia também:

12 Comentários

  1. Há tanto amor e sabedoria neste texto.
    Parabéns pela sensibilidade Paloma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Antônio! É justamente isso que encontro neles, amor e sabedoria, não poderia escolher palavras melhores!
      Um terno abraço!

      Excluir
  2. Sempre há histórias e amores por trás dos óculos redondos e os cabelos de neve.
    Adoro visitar meus avós, infelizmente hoje só tenho os paternos, por isso aproveite cada segundo que tem com eles.

    Adicionei seu blog na minha guia de 101 blogs no My Life,

    Abraço e boa semana

    http://mylife-rapha.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho ternas lembranças dos meus avós paternos, já os perdi, mas minha infância ficou marcada pelo amor deles. Meus avós maternos são um carinho que só, sempre que posso, tento me fazer presente. Cuidar desse amor não tem preço!
      É uma honra estar em tua lista!! Me sinto lisonjeada por fazer parte dos teus 101 blogs, muitíssimo obrigada por tamanha consideração!
      Um abraço bem apertado!

      Excluir
  3. Onnw' que amor, infelizmente não tive esse prazer, tanto na parte materna como paternos. Mas, convivi com a avó da minha amiga, onde tínhamos tantos momentos lindos!
    Eu, agora, mais "velha" sei como isso é incrível, mas, antes, não via o quão mágica esses momentos são.

    https://blogloveinred.blogspot.com.br ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdi minha avó paterna cedo, e meu avô mais recentemente... Hoje lamento não ter curtido mais a presença deles. E tento a todo custo cuidar da companhia dos meus avós maternos. É uma pena que muito do que vivemos só damos o devido valor quando o tempo passa. Que bom que viveste momentos lindos com a avó de tua amiga, tenho 'avós' do coração também, e o amor é tão lindo quanto.
      Um terno abraço.

      Excluir
  4. Uma história de amor escrita pelos dois que não soltaram a caneta e continuam a escrever.Isso é muito bonito e delicado. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente!! Uma história linda, que me inspira, e que eles continuam a escrever da forma mais carinhosa possível!
      Abraços!!

      Excluir
  5. Esse, é um amor que perdura até ao final dos nossos dias.
    Quantas saudades dos meus avozinhos...
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um amor belíssimo que nos acompanha não importa quanto tempo passe. Ainda me lembro da minha avó paterna (que perdi quando ainda era criança), colocando flores nos vasinhos que meus primos e eu fazíamos de argila, e os dispondo sobre uma mesinha na sala, eles eram terríveis mas ela os deixava mesmo assim, isso só pode ser amor! É tão bom recordar!
      Abraços!

      Excluir
  6. Esse afeto é poesia pura!
    E é tão bom ser apresentada e presenteada com essa história.

    www.reticenciando.com

    Milhões de beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E não é? No dia em que escrevi esse texto eu os visitei, e enquanto estava no jardim vigiando os primos pequenos para que não se machucassem nas roseiras, e fiquei recordando minha infância entre as roseiras e as histórias, foi um momento de pura poesia... inevitável!
      Maravilhoso saber que gostaste.
      Mil beijos!! Rsrs

      Excluir

Fique a vontade para comentar...
Críticas são bem vindas, e elogios sempre serão.
Abraços...