Pequena abelha

Sabe aquele tipo de livro que quando acaba deixa a gente em êxtase? Aquele tipo que eleva o pensamento e nos emociona a ponto de não sabermos o que fazer, e, sorrindo entre lágrimas, olhamos para o nada dizendo pra nós mesmos "que lindo!" porque ele, o livro, tirou de nós todas as palavras possíveis para o momento? "Pequena abelha" de Chris Cleave é um desses livros, ou pelo menos para mim foi um desses livros. Terminei de ler há alguns dias, mas só hoje puder vir aqui compartilhar sobre ele novamente, e é com muita alegria que posso dizer que o livro superou minhas expectativas, me arrancou lágrimas, sorrisos, suspiros, momentos de reflexão e de profundidade.
Eis um pequeno trecho que muito me tocou:

"Estremeci. A chuva apertou.  
— Isso nunca mais vai acabar — disse eu. — Não é, Abelhinha?  
— Por mais tempo que a lua desapareça, um dia ela brilha outra vez. Era o que a gente costumava dizer na minha aldeia.    
— As chuvas de abril trazem as flores de maio. É o que costumávamos dizer na minha.   Tentamos sorrir uma para a outra"

Leia também:

2 Comentários

  1. Emocionante o teu relato do livro. Difícil resistir à ideia da leitura! Quando algo toca indelevelmente em nossa alma, queremos tanto que outros sejaam tocados! Essa virtude, a do compartilhamento de bens,é uma das mais nobres dos seres humanos, e várias vezes e de formas diversas,identifiquei-a, emocionado, em ti, Abelhinha!
    Desejo-te um ano de 2016 (que já é maior, pois é bissexto!) abençoado, feliz, realizador, apaixonante, familiar, próspero, inspirado e inspirarivo. Que teus sonhos ganhem corpo, venham à realidade, e que ames e sejas amada verdadeira,profunda e intensamente.
    Beijossssssssss, abelhinha!

    ResponderExcluir
  2. Minha vontade, quando sou tocada por um livro, é exatamente a que descreveste, me empolgou para que todos sejam tocados da mesma forma. E quanto aos votos, desejo o mesmo e ainda mais a ti, meu querido amigo!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

Fique a vontade para comentar...
Críticas são bem vindas, e elogios sempre serão.
Abraços...