Carta a ele.

Não sei como são teus olhos ou o teu sorriso. Como será o som de tua voz? Queria poder te imaginar. O aconchego do teu abraço, o ritmo de teu coração, de teus passos. Não o conheço, ainda, mas já amo-te como és. Por favor, amor, promete pra mim que será leve, que será certo. Que tudo será como deve ser. Não tem problema se a vida por vezes for dura com a gente, só promete pra mim que teu abraço será macio, e que teu coração vai me acalmar, que tudo vai ficar bem. O que mais poderia escrever-te...tenho tanto a te falar meu bem, mas prefiro te esperar um pouco mais.
 Só promete pra mim que hás de chegar, e ficarei bem.
Amo-te desde já.

Leia também:

2 Comentários

  1. Aqui estou eu, lendo, relendo e relendo...
    Gosto deveras de ler-te! Não podes ter ideia.

    Nunca escrevi uma carta assim. Mas agora, diante de palavras tão belas, pergunto-me se, mesmo nunca tendo escrito, tais 'conversas' não tenham adoçado meu pensamento diversas vezes.
    Com 22 anos, perguntaram-me o que eu pensava de 'amar'. De repente (e me surpreendi com a sinceridade com que disse isso) eu respondi algo como: amar se constitui do 'a' de 'amizade', porque amar é identificar-se no ser de outra pessoa, profundamente; 'm' de 'mansidão', porque amar é ter um pacto de fluência, de não-agressividade; 'a' de 'altruísmo', porque amar é ser feliz com o outro, pelo outro, é ter acordo de felicidade mútua; e 'r' de 'respeito', porque amar é dar-se à fidelidade, ao respeito da presença ou da ausência do seu amor...
    Sou grato a ti, porque com essa postagem tão extraordinária de respeito e altruísmo para com quem nem ainda conheces, tu me lembraste daquele pensamento de um menino idealista (como se eu tivesse crescido muito! rsrs )
    Belíssimo!
    Abraçossssssssssssss

    ResponderExcluir
  2. Como é bom saber que gostas do que escrevo!! E como é maravilhoso saber que o que escrevi te trouxe tão linda lembrança. Quanto ao amor, tu o descreveste de forma tão simples, bela e verdadeira quanto se é possivel dize-lo. Drummond escreveu sobre o amor e o amar:
    "Vamos conjulgar,
    Verbo fundamental, essencial,
    verbo transcendente, acima das gramáticas
    [...]
    Verbo sempreamar,
    Verbo pluriamar,
    Razão de ser e de viver."

    Um terno abraço Lucas!!

    ResponderExcluir

Fique a vontade para comentar...
Críticas são bem vindas, e elogios sempre serão.
Abraços...