Continuo...

"Continuo a velha cria do tempo. Incontrolável. Paciente. Consegui tirar a areia dos pés. Me desfiz das incertezas que grudaram no cabelo. Lavei o sal do corpo e agora vivo assim, fazendo doces de mim. Evoluo no meu papel de ser mar ou ser nada. Adoço a vida não porque ultrapasso a leveza de um pássaro. Adoço porque eu preciso fazer a alma sorrir enquanto a fechadura do desânimo não arrebenta o chão das certezas. Continuo a velha cria do que um dia não aconteceu. Ainda sou a velha cria do que nunca foi dito. Por isso, se eu escolher o silêncio, por favor, por tudo o que nos une: respeite. O meu amor há de ter maior força. E tem. E grita – no momento certo. Enquanto ele não vem, não cante os erros em um tom maior que o nosso. Porque depois de cegar, o amor ensurdece. E agora, além da certeza de que nada mais cantará tão certo como o caminho das reticências famintas de mim, entendo o último parágrafo que envolve o meu corpo: eu preciso muito me ouvir."
Priscila Rôde

Leia também:

0 Comentários

Fique a vontade para comentar...
Críticas são bem vindas, e elogios sempre serão.
Abraços...